» Cyberbullying é discutido com alunos do Colégio

publicado em 23.5.18
...............................................................................................................................................

 

Uma das formas mais agressivas de bullying, que ganhou espaço nos últimos anos, é o cyberbullying. Os ataques ocorrem no ambiente virtual, por meio de ferramentas tecnológicas de informação e comunicação, móveis ou fixas, como e-mails, sites de relacionamentos, blogs, redes sociais, salas de bate-papo, torpedos, jogos e comunicadores instantâneos, produzindo efeitos de dimensões incalculáveis. Considerando a necessidade de se debater o tema com os adolescentes, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) levou a discussão ao Colégio Santa Dorotéia, em Belo Horizonte, na manhã desta segunda-feira, 21 de maio, por meio do programa Por dentro do MP.

Cerca de 300 alunos do 8º ano, pertencentes a sete diferentes turmas, participaram de palestra proferida pelo promotor de Justiça Lélio Braga Calhau. Integrantes do grêmio estudantil e  representantes de cada série, a partir do 6º ano, também estiveram no teatro do colégio, com a responsabilidade de multiplicar as informações obtidas aos colegas de turma. Lélio começou o bate-papo com os estudantes ressaltando que mudar o nome do ato que se pratica não altera o seu caráter. “Chamar o bullying de zoação não modifica o seu caráter negativo. Não há brincadeira quando uma pessoa está sofrendo”, alertou. 

O palestrante esclareceu os estudantes sobre os efeitos do bullying, falou da possibilidade de responsabilização dos pais pelos atos praticados pelos filhos e deixou alguns conselhos para o enfrentamento do problema. Além da regra de ouro, que, segundo ele, é tratar as pessoas como deseja ser tratado, outras dicas apresentadas foram: conversar de maneira aberta e sincera com os pais ou com um adulto de confiança; buscar fazer o que é correto, independentemente de estar na presença de adultos; defender outras vítimas; e buscar não revidar aos ataques do agressor, para não correr o risco de também se tornar um. “Dentro da escola, o procedimento correto é comunicar a agressão à diretoria ou a um adulto de confiança”, orientou. 

O coordenador do 8º ano, professor Walmir Xavier, destacou a importância do programa Por dentro do MP para a sociedade, sobretudo no cenário atual, que, segundo ele, tem sido visto com desânimo por grande parte dos adolescentes. “Vivemos um momento de desesperança por conta da política, das investigações. Temos visto muitos jovens assumindo posições radicais neste contexto. É fundamental que os órgãos públicos e a sociedade civil organizada se aproximem desse público, porque os colégios, sozinhos, não dão conta de promover as mudanças necessárias”. 

Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação Integrada
Diretoria de Imprensa